O momento da singularidade biotecnológica

Pesquisa | Antonio Domene

img

Quarenta anos podem ser um período de tempo muito longo ou muito curto, de acordo com o que são comparados. Em relação à história da humanidade, é apenas uma piscada de olhos. Apesar disso, os últimos quarenta anos da história da tecnologia têm proporcionado o maior salto evolucionário neste campo. Em 1971, a Intel produziu o 4004, o primeiro microprocessador conhecido. Desde então, a aplicação deste pequeno, mas gigantesco avanço tem sido o motor que nos catapultou para um cenário em que são possíveis todos os tipos de maravilhas. Celulares, robótica, sistemas domóticos, veículos autônomos e até mesmo os perturbadores deep fakes fazem parte de uma longa lista de soluções que há vinte e cinco anos nem sonhávamos. Comparado com os cerca de quinhentos anos de trajetória moderna dos grandes campos da ciência, como a química, a física ou a biologia, parece que a tecnologia ganhou a partida. Não é mesmo?

Para começar, a tecnologia não é uma ciência, mas sim o resultado da aplicação de seus princípios sobre toda sorte de objetos físicos ou ambientes virtuais para criar soluções práticas para o ser humano. Como ingrediente evolutivo, a tecnologia digital está se tornando em o elemento-chave para acelerar o desenvolvimento de tudo, incluindo a forma como cultivamos e produzimos os nossos alimentos. Efetivamente, ao atravessar o longo caminho percorrido pela ciência com os mais recentes avanços tecnológicos, estamos prontos para entrar no mundo da biotecnologia natural. Este é o terreno do jogo em que competimos, com vantagem, na Kimitec.

Impulsionar o que é natural através da tecnologia

A nossa aposta não é sobrepor a tecnologia à ciência natural. É impulsionar o natural com tecnologia. Da mesma forma que se anuncia a chegada de um momento de singularidade em que possamos gerar sistemas mais inteligentes do que nós mesmos, talvez estejamos mais próximos do que nunca de criar ambientes capazes de se regenerar melhor e produzir mais sem recorrer à química de síntese como um motor de falsa prosperidade.

A tecnologia está na base do nosso negócio, porém não para substituir a natureza, mas sim para dar-lhe o protagonismo. Queremos compreendê-la melhor, aprender com ela e potenciar os seus mecanismos biológicos. A partir daqui o nosso modelo procura proporcionar produtividade e qualidade sem renunciar ao mais importante: cuidar da saúde das pessoas e, por conseguinte, do meio ambiente.

Durante muito tempo, se defendeu que para alimentar as já mais de sete bilhões de pessoas que habitam o planeta, é necessário aplicar fórmulas para rentabilizar ao máximo o solo e as culturas. Se os métodos tradicionais de produção não podiam cobrir mais do que as necessidades das comunidades vizinhas, tornou-se inevitável encontrar fórmulas para aumentar a dimensão das colheitas, tanto em volume como em ciclos ao longo do ano, erradicando os efeitos dos agentes naturais que as afetam, como as pragas ou a própria ação do homem. É verdade, em teoria, mas muito prejudicial na prática.

A solução não era a química de síntese

A que agora consideramos agricultura convencional tem sido apoiada na química de síntese como solução para o problema da produtividade. Através da criação em laboratório de moléculas que reproduzem os componentes ativos existentes nos extratos naturais das plantas, esta indústria tem sido capaz de produzir fertilizantes e agrotóxicos de elevada eficácia. Pois bem, a que custo? Os resíduos químicos destes produtos não são biodegradáveis e afetaram tanto a regeneração dos solos e dos ecossistemas, como a qualidade e salubridade das culturas.

Pensamos que não se trata de escolher, mas sim tentar encontrar o equilíbrio entre o que os agricultores necessitam, o que os consumidores exigem e o que as cadeias de distribuição exigem. Na Kimitec, temos encontrado a maneira de dar uma resposta nesse sentido. A chave está em uma metodologia própria que chamamos de 4Health, que é apoiada na tecnologia mais avançada para encontrar sinergias entre botânica, microbiologia, microalgas e química verde, gerando produtos altamente eficazes e ao alcance dos produtores. Por acessíveis, me refiro ao alcance do bolso dos agricultores, que são os mais pressionados a responder às exigências do mercado que os colocaram entre a cruz e a espada.

Conseguimos, através da pesquisa de moléculas bioativas naturais, desenvolver soluções capazes de estar à altura dos produtos de síntese química e superá-los. Nós fazemos isso desvendando um mito. É possível desenvolver produtos naturais estáveis, que se conservem ativos durante muito tempo, que resistam às condições de embalagem e transporte a que estão sujeitos a concorrência e que o tornem competitivo em termos de custos e eficiência? Realmente, é possível.

Singularidade

Não somos contra a metodologia farmacêutica. Pelo contrário, acreditamos que podemos aplicá-la para melhorar a geração de soluções orgânicas. Na verdade, estamos conseguindo formulações homogêneas e escaláveis que, além disso, respeitam o princípio que nos move: melhorar a saúde das pessoas através de alimentos mais naturais. A chave está na geração de insumos que não se acumulam nos solos, nas raízes ou nos frutos, mas se degradam com a ação do vento, da chuva, do sol ou dos microrganismos.

Em 1957, numa conversa entre o matemático húngaro John von Neumann e o seu colega polaco Stanislaw Ulam , surgiu pela primeira vez o termo “singularidade”. Com ele, queriam destacar o resultado da imparável aceleração transformativa da tecnologia sobre a sociedade.

Hoje consideramos a singularidade como o momento em que uma inteligência artificial poderia ser capaz de melhorar a si mesma, superando uma barreira desconhecida na evolução humana. Aplicando, como estamos prestes a fazer na Kimitec, essa mesma tecnologia que avança a toda velocidade para a agricultura, talvez estejamos prestes a atingir o ponto de equilíbrio e de evolução em que a produção de alimentos só pode ser feita de uma forma: saudável, sustentável e rentável. Não tenho dúvidas de que estamos protagonizando uma revolução biotecnológica que irá mudar o nosso ambiente. Para o bem.

Te puede interesar...

MAAVi Innovation Center e El Salvador, vão levar a agricultura de desperdício zero para a América Central e Caribe

Hace 3 dias | Agriculture

Aliança entre a Kimitec e a Novagric por uma agricultura natural e produtiva

Hace 3 semanas | Corporativo

Mergulhando na matéria biológica desconhecida

Hace 2 meses | Agriculture

Do laboratório para a comercialização industrial: Como superar os desafios para gerar produtos biológicos

Hace 3 semanas | Pesquisa