Biopesticidas: a alternativa saudável para a proteção das culturas

img

Se Alfred Hitchcock tivesse que filmar hoje “Intriga Internacional” (“North by Northwest”), teria que modificar a cena em que Cary Grant é perseguido e baleado por um avião ao lado de um milharal. No filme original, o personagem que interpreta Grant, Roger Thornhill, foge de um biplano usado na fumigação de culturas que lança o seu fardo para forçar que ele saia do seu esconderijo entre as plantas. Isso seria quase impossível atualmente, pelo menos na Europa. Desde 2009 e salvo excepções, a União Europeia proibiu a pulverização de agrotóxicos como a que é feita a partir de aviões adaptados. O motivo? Limitar a utilização de agrotóxicos de síntese química no mundo da agricultura, a fim de reduzir as suas consequências para a saúde humana e o ambiente.

A poética do cinema não é suficiente para manter práticas que são prejudiciais para nós e para o nosso ambiente. Durante as últimas décadas, a produção agrícola tem sido apoiada nos produtos sintéticos de laboratório para se defender de pragas que atacam as colheitas e o seu ambiente. Sob o argumento, muitas vezes discutido, de que agrotóxicos ou fitossanitários garantiram a disponibilidade de alimentos mais saudáveis, livres de doenças, agricultores de todo o mundo têm usado maciçamente essas soluções que garantiam uma ação rápida contra bactérias, insetos e fungos prejudiciais. O seu emprego permitiu manter elevadas taxas de produção e uma exploração intensiva do solo. No entanto, os resíduos de algumas das substâncias utilizadas tiveram consequências nefastas.

Os problemas dos agrotóxicos de síntese química

Os problemas dos agrotóxicos de síntese química

No ambiente natural, o abuso de agrotóxicos sintéticos como fungicidas, inseticidas ou nematicidas tem, em muitos casos, desde a contaminação dos aquífero até o desaparecimento de organismos benéficos para as raízes, passando pelo desenvolvimento da resistência das pragas aos produtos que as combatem. No que diz respeito ao ser humano, não são poucos os casos em que se confirmaram intoxicações graves e afecções do sistema imunológico devido à exposição prolongada a determinadas substâncias. Os mais afetados por isso foram, muitas vezes, os próprios profissionais do campo: os agricultores.

“Os mais afetados pelo abuso de agrotóxicos sintéticos têm sido, muitas vezes, os agricultores”

Na Europa, as substâncias ativas autorizadas nos produtos fitofarmacêuticos diminuíram mais de 50% nas últimas décadas. Situações como a do glifosato, um herbicida popular considerado com múltiplas reticências com potencial cancerígeno pela Organização Mundial de Saúde em 2015 e indultado pela Autoridade Europeia de Segurança Alimentar nesse mesmo ano, puseram em primeiro plano a utilização de agrotóxicos de síntese química. Na verdade, e apesar do debate sobre se é tão prejudicial como se diz ou não, já são dois os países europeus que o proibiram. O primeiro foi a Áustria, e a Alemanha que já colocou uma data para o fim do seu uso: 31 de dezembro de 2023. A própria União Europeia autoriza o uso até 2022, e não há garantias de que aumente a sua validade. Além do mais, existem restrições para o uso desse produto na República Checa, Itália e nos Países Baixos e a França planeja eliminá-lo gradualmente até 2023. Dependemos tanto deles? São prejudiciais? E, se são, eles são como um mal necessário? Qual é a alternativa?

A resposta à primeira pergunta é “não”. Embora tenham sido capazes de ser uma solução rápida e eficaz, as suas consequências são outra história. Muitas das substâncias utilizadas durante anos foram proibidas à medida que foram detectadas consequências negativas para a saúde e o meio ambiente. Com o glifosato, por exemplo, receia-se que tenha incidência não na saúde humana, mas na sobrevivência das plantas do entorno a que se destina e, mais ainda, nos insetos, indispensáveis para a sobrevivência de processos biológicos como a polinização. Os agrotóxicos, portanto, não são um mal necessário. A alternativa está nos biopesticidas.

Biopesticidas: A resposta de baixo risco

Biopesticidas: A resposta de baixo risco

Como derivados de organismos vivos, os biopesticidas podem ser de fungos até vírus (destinados a atacar insetos) ou extrações vegetais. São soluções classificadas como de baixo risco, que respeitam o ambiente da planta e os organismos naturais do ecossistema. Além disso, não deixam resíduos prejudiciais ou potencialmente prejudiciais para as pessoas.

“Os biopesticidas respeitam o ambiente da planta e não deixam resíduos nocivos para as pessoas”

Fizemos muitos progressos no campo dos biopesticidas. Podemos garantir que a sua eficácia é, pelo menos, a mesma dos produtos fitofarmacêuticos, e o seu rastro de resíduos é nulo. Além disso, o contexto atual beneficia a sua expansão, por várias razões:

  1. Apoio institucional. Em muitos países, a alternativa dos biopesticidas em relação aos produtos de síntese química está crescendo através da legislação. A Dinamarca já aplica taxas adicionais aos produtos fitofarmacêuticos para desencorajar a sua utilização. A Diretiva europeia 2009/128 relativa à utilização de agrotóxicos incita aos membros da comunidade a desenvolverem programas específicos que, desde a formação sobre a utilização destes produtos, promovam a regulamentação e o controle da sua colocação no mercado e armazenagem. Foi essa Diretiva que proibiu a pulverização aérea. Porém o mais importante é que, especificamente, incita aos Governos a dar prioridade, “sempre que possível, aos [produtos] não químicos”. O último passo dado pela Europa, neste sentido, e que já está impactando nos mercados, é o anúncio, em maio de 2020, da sua estratégia “Da Fazenda para a Mesa”, que prevê uma redução de 50% da utilização de agrotóxicos químicos e 20% de fertilizantes até 2030.
  2. Pressão social. Nos últimos anos, os riscos das soluções sintéticas e o desejo dos consumidores de consumir produtos 100% orgânicos vem sendo colocados em primeiro plano . Essa procura foi transmitida para toda a cadeia comercial. No caso da Espanha, já é o país da União Europeia com maior superfície de culturas biológicas.
  3. A ausência de efeitos nocivos. Os biopesticidas são considerados de baixo risco e constituem uma percentagem significativa no mercado de produto para combater pragas. Além disso, iremos submeter aos mesmos testes de controle exaustivos que os testes de síntese química, assim a sua segurança estará garantida. Respeitam os organismos do subsolo e contribuem para a regeneração do solo.

É verdade que existem desafios a vencer. Nem a legislação é aplicada de igual modo em todos os mercados, nem em todos os países existe a mesma consciência para a problemática dos produtos fitofarmacêuticos. A Europa, sem ir mais longe, não dispõe ainda de uma legislação específica que regulamente os biopesticidas que continuam sendo regidos pelos regulamentos relativos aos agrotóxicos químicos. Isto faz com que os agricultores não cheguem às soluções naturais de que necessitam para substituir os produtos de síntese química. A Espanha, sem ir mais longe, é o país comunitário que consome mais toneladas de agrotóxicos. Mas no horizonte há um mercado biológico que atingirá 6,4 bilhões de dólares em 2023. A mudança está em curso.

Te puede interesar...

Experimento in vivo protótipo do bio-herbicida

Hace 9 meses | Health

Não mais… Primaveras silenciosas

Hace 1 mês | Agriculture

MAAVi Innovation Center, a visão de reinventar a produção de alimentos se torna realidade

Hace 2 anos | Corporativo

O que é a Agricultura 4. 0?

Hace 2 anos | Agriculture