Mergulhando na matéria biológica desconhecida

img

O maior centro de biotecnologia aplicado à agricultura natural está no Sul da Europa, tem mais de 45 projetos em curso para solucionar as principais problemáticas da agricultura global e trabalha fazendo “um mundo mais verde” para outras empresas da agroindústria e para grandes produtores.

Efrén Remesal, diretor de P&D&I, nos fala sobre a sua história e projetos futuros.

Há pouco mais de 14 anos, os fundadores da Kimitec propuseram mudar a forma como os alimentos eram produzidos.

Nessa altura, as provas científicas começavam a apontar os agroquímicos como os causadores da perda de biodiversidade, da poluição dos aquíferos e de outros problemas importantes relacionados ao meio ambiente e a saúde das pessoas. Ao mesmo tempo, na Europa, a grande distribuição impunha limitações à utilização de matérias ativas e LMRs abaixo da regulamentação e, os consumidores, os grandes protagonistas de todo o sistema de produção de alimentos, reclamavam diante de escândalos relacionados à agricultura e à toxicidade dos insumos utilizados nela.

Nesse momento, os fundadores da empresa compreenderam que tinha de haver outro caminho diferente para utilizar moléculas sintéticas na produção de alimentos e decidiram fazer alguma algo a respeito para dar aos agricultores alternativas naturais e eficazes.

Desde “a horta da Europa”, onde a empresa está localizada, a equipe fundadora da Kimitec começou a viajar por diferentes países para identificar os avanços científicos e tecnológicos e conhecer as grandes mentes brilhantes que começaram a despontar no campo da biociência aplicada à agricultura.

Durante essas viagens, descobriram na natureza uma fonte inesgotável de compostos naturais provenientes de plantas, fungos, bactérias e microalgas, com um grande potencial para alcançar uma produtividade natural nas culturas.

Após vários sucessos no desenvolvimento de biopesticidas de eficácia igual à da síntese química e um investimento de mais de 20 milhões em pesquisa e desenvolvimento de soluções agrícolas naturais, em outubro de 2019, o MAAVi Innovation Center foi inaugurado pela Kimitec, o maior centro de pesquisa de biopesticidas e probióticos dedicado à agricultura natural da Europa e um dos maiores centros de biotecnologia do mundo.

Instalações modernas com mais de 5 000 m2 + 1 000 m2 de estufas com uma equipe de P&D&I de mais de 50 profissionais que trabalham atualmente no desenvolvimento de produtos biológicos naturais, e na compreensão das culturas e dos seus mecanismos de crescimento e proteção.

Seguindo a história, em maio de 2020, em plena crise da COVID_19, a União Europeia anunciou sua estratégia Green Deal e sua parte agroalimentar Farm to Fork. A agricultura comunitária tremeu. Como seria possível ser igualmente produtivo com 50% menos moléculas de síntese química e 20% menos fertilizantes? Depois vieram os EUA, o Canadá, a China e a Coreia do Sul com abordagens semelhantes. A urgência da tomada de medidas era premente e as estratégias políticas destinadas a travar as alterações climáticas e a poluição foram colocadas na ordem do dia.

Neste contexto, consciente da quantidade de ferramentas de síntese que seriam limitadas e que deixariam os agricultores sem alternativas eficazes para continuarem a ser produtivos e com um grave problema de surgimento de resistências, era urgente acelerar o nosso modelo de pesquisa e torná-lo mais amplo.

MAAVi Innovation Center: a alternativa à síntese química

Atualmente em MAAVi pesquisamos um total de 45 projetos de alto impacto para a agricultura global, agrupados em três vertentes: biocontrole, plant performance e pré e probióticos.

Em setembro de 2020, após dois anos de pesquisa, comunicamos o estado de desenvolvimento da nossa plataforma de bioherbicidas, que tem como propósito substituir o glifosato e integra diferentes ferramentas de ação com o objetivo de identificar moléculas e compostos naturais com atividade fitotóxica para o desenvolvimento de uma nova geração de bioherbicidas.

Quase de uma só vez, o nosso substituto natural para a cianamida hidrogênio entrou na fase de validação agronômica. Com resultados comparáveis aos deste composto de síntese química, mas sem riscos para a saúde do aplicador, isso irá proporcionar alívio aos produtores de frutos caducifólios que veem as alterações climáticas encurtando, ano após ano, as horas frias que suas árvores precisam para brotar.

Mas temos muitos outros projetos em curso.

Em relação aos biopesticidas com ação inseticida, temos aberto um grande projeto para o controle de várias espécies de lepidópteros, bem como outro de nemátodos. O primeiro concentra-se em Tuta absoluta, Lobesia botrana e Cydia pomonella, embora a espécie que mais nos ocupa seja Spodoptera sp., afetando 66 culturas diferentes, principalmente soja no Brasil e milho na China e tem impacto econômico global de US$ 1,2 bilhões por ano.

Não nos esquecemos dos biofungicidas, pois fungos patogênicos como Botrytis cinerea causam verdadeiros problemas nas vinhas e nas culturas de uvas de mesa da França, Itália, Espanha, China, EUA, Chile ou Austrália; ou a doença do café causado pelo fungo Hemileia vastatrix L e a devastadora sigatoka negra da banana na América Central, que não tem uma solução eficaz para combatê-la. Todos eles merecem, ao nosso entender, projetos próprios, que procurem urgentemente uma solução natural e eficaz para os problemas que estes colocam.

No que se refere às estratégias destinadas a melhorar a sustentabilidade meio ambiental das culturas, temos entre mãos um projeto incrível para a identificação de um consórcio específico de microrganismos da filosfera que trabalham para a cultura, estabelecendo nitrogênio atmosférico, bioestimulando-o e aumentando a sua produtividade. E na vertente de probióticos, também estamos estudando consórcios de microrganismos específicos para soja e o tomate, capazes de aumentar as qualidades organolépticas e quimiopreventivas dos frutos.

Por último, na vertente de plant performance, para além do nosso substituto para a cianamida hidrogênio, outras soluções como o protetor solar para a horticultura ao ar livre, cítricos e cerejas ou a nossa plataforma de bioestimulantes encontram-se já numa fase avançada de desenvolvimento.

Além de tratamentos preventivos e curativos, trabalhamos no tratamento de sementes com capacidades bioestimulantes, biopesticidas e probióticas, e outras inovações como o uso de bacteriófagos como agentes biológicos contra doenças tão devastadoras como Erwinia amylovora em frutas com sementes.

Contamos também com os MAAVi Labs, que são acordos estratégicos com gigantes do agronegócio e grandes produtores para os quais colocamos o nosso centro de pesquisa à sua disposição para o desenvolvimento de soluções naturais personalizadas.

Tudo se baseia em igualar a eficácia da síntese química

A chave para a eficácia dos nossos produtos está numa tecnologia própria que chamamos 4Health, que se apoia na metodologia farmacêutica e num algoritmo próprio de inteligência artificial que nos ajuda a encontrar realidades não evidentes na sinergia de compostos derivados das quatro fontes naturais com as quais trabalhamos:  botânica, microbiologia, microalgas e química verde.

No que se refere aos compostos bioativos, o mais incrível é que apenas se conhece um 0,2, o restante é ainda matéria biológica desconhecida. O que quer dizer que estamos no ápice de outro grande salto para um conhecimento mais profundo das plantas, dos microrganismos e das microalgas, graças ao nosso sistema de deep learning, que nos ajudará a aumentar a produtividade do MAAVi Innovation Center, minimizar o tempo de desenvolvimento de ferramentas naturais e eficazes e reduzir a percentagem de erro nas nossas pesquisas.

Como você pode ver, a tecnologia está na base de nosso negócio, mas não para substituir a natureza, mas sim para dar-lhe o protagonismo. Porque, quanto mais cedo entendermos e ativarmos as conexões entre os mecanismos da natureza e das culturas, mais depressa poderemos tornar possível um futuro sustentável do ponto de vista meio ambiental e mais saudável.

A natureza tem as respostas, só temos que encontrar.

Te puede interesar...

Félix García: “Estamos falando de uma agricultura produtiva, e ao mesmo tempo natural” 

Hace 1 ano | Agriculture

Biopesticidas: a alternativa saudável para a proteção das culturas

Hace 2 meses | Agriculture

Nove certificações novas em Portugal

Hace 1 ano | Agriculture

Casamento Primaflor&Kimitec para produtividade sem resíduos

Hace 3 meses | Corporativo